Após a edição da Lei nº 13.429 e a reforma trabalhista, que também trata de questões relacionadas aos trabalhos temporários e terceirizados, entrar em vigor, as empresas brasileiras ganham mais um incentivo para investir na terceirização: a Receita Federal definiu que despesas com mão de obra temporária terceirizada geram créditos de PIS e Cofins, desde que o trabalho seja diretamente relacionado à produção. Esses créditos podem ser utilizados pela empresa contratante para o pagamento de qualquer tributo.

O entendimento, publicado no fim de 2017, encerra conflitos de interpretação entre duas regiões fiscais da Receita Federal e é visto, tanto por especialistas da área quanto por empresas, como um estímulo para a terceirização – especialmente após a reforma da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que permitiu a terceirização de trabalhadores sem restrição, inclusive para atividades fim.

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o advogado Lucas Salvoni explica o impacto da Solução de Divergência Cosit n° 29 nos custos das organizações que adotam este modelo de trabalho: “Agora, a solução de divergência dá um incentivo adicional para as empresas adotarem cada vez mais a terceirização de mão de obra, em busca da redução de custos”. Salvoni afirma ainda que os impactos financeiros da medida são bem expressivos, uma vez que a alíquota das contribuições do PIS e da Cofins é de 9,25% no regime não cumulativo.

Ainda em março de 2017, a Receita Federal já havia publicado a Solução de Consulta n° 105/17, vinculada à solução de divergência. Neste texto, é permitida a apuração de crédito de Cofins, na modalidade aquisição de insumos (inciso II do artigo 3º da Lei nº 10.833, de 2003), sobre gastos com a contratação de empresa de trabalho temporário para disponibilização de mão de obra a ser aplicada na produção de bens destinados à venda ou na prestação de serviços a terceiros.

Também em entrevista ao Valor Econômico, o advogado Fábio Cunha Dower explica que a publicação da solução de divergência esclarece em definitivo que é possível apurar o crédito para essa modalidade de gasto. “Essa interpretação vale tanto para a contratação de empregados terceirizados como para a contratação de empresas para as atividades-fim da empresa contratante, conforme as Leis 10.637/02 e 10.833/03”, afirma. De acordo com Dower, gastos com mão de obra temporária podem ser reconhecidos como insumo e podem ser enquadrados nas outras opções que dão direito a crédito, expressas no artigo 3° da Lei nº 10.637, de 2002.

Quer ficar por dentro do mundo da terceirização? Não deixe de assinar nossa newsletter acompanhar nosso blog. Trazemos as últimas tendências da área para quem quer investir nesse modelo de negócio e otimizar os resultados da sua empresa.

Fonte: Valor Econômico