mk_captcha_placeholder = "Enter Captcha", mk_captcha_invalid_txt = "Invalid. Try again.", mk_captcha_correct_txt = "Captcha correct.", mk_responsive_nav_width = 1140, mk_vertical_header_back = "Back", mk_vertical_header_anim = "1", mk_check_rtl = true, mk_grid_width = 1240, mk_ajax_search_option = "toolbar", mk_preloader_bg_color = "#ffffff", mk_accent_color = "#34334f", mk_go_to_top = "true", mk_smooth_scroll = "true", mk_preloader_bar_color = "#34334f", mk_preloader_logo = ""; var mk_header_parallax = false, mk_banner_parallax = false, mk_footer_parallax = false, mk_body_parallax = false, mk_no_more_posts = "No More Posts";

Após a recuperação do varejo em 2017 e os resultados positivos do setor no último Natal, agora é hora do varejo brasileiro voltar suas atenções para a próxima data comemorativa, a Páscoa. Ainda motivados pelos números de 2017, as fabricantes de chocolate do país abriram cerca de 23 mil vagas temporárias, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab).

Durante a 28º edição do Salão de Páscoa, que aconteceu em janeiro em São Paulo, a Abicab se mostrou confiante em relação à data em 2018. Em 2017, segundo a associação, foram produzidos 9 mil toneladas de produtos, um número 38% menor que o de 2016. Neste dois anos, as Páscoas registraram uma queda de produção e venda de aproximadamente 50%. No entanto, para Ubiracy Fonseca, presidente da Abicab, as expectativas para 2018 são animadores: “Índices econômicos e desemprego têm melhorado e dado sinais de recuperação no universo dos chocolates”. Prova disso é que, de acordo com levantamento realizado durante o evento, fabricantes estão confiantes nas vendas e esperam um aumento de até 10% de arrecadação em relação ao ano passado.

As 23 mil vagas temporárias estão divididas entre dois grandes grupos – fábricas (cerca de 20% das vagas) e vendas (aproximadamente 80%). Em entrevista ao jornal Extra, a especialista em gestão de carreiras Maura Xerfan afirma que, apesar da busca ser por mão de obra temporária, fabricantes dão preferência a candidatos que entendam a importância do trabalho e não encaram o projeto meramente como algo com “prazo de validade”. Ricardo Reis, gerente de Marketing de Chocolates Sazonais da Mondelez Brasil, detentora da marca Lacta, confirma a opinião da especialista: “Os profissionais que se destacam ficam em nosso banco de talentos e são considerados para oportunidades efetivas que surgem ao longo do ano. Em merchandising, em 2017, 16,3% das chances para promotores foram preenchidas por funcionários que trabalharam conosco na Páscoa, em anos anteriores”. Reis explica ainda a importância dos promotores e vendedores para a estratégia de PDV da marca: “Os vendedores são peças fundamentais para representar a Lacta nos pontos de venda. Um bom vendedor sabe abordar e atender bem os consumidores, ajudando na escolha do ovo ideal. Eles também ajudam a manter a parreira de ovos sempre organizada nos pontos de venda”.

E a sua marca, já está preparada para a Páscoa? Está em busca de mão de obra temporária para esta ou outras datas de maior demanda? O Grupo Mazzini pode ajudar sua empresa a recrutar, selecionar e treinar profissionais qualificados para vagas temporárias, além de oferecer soluções de trade marketing para o varejo. Quer saber mais? Entre em contato conosco!

Fonte: G1 e Extra